Em busca das travessias

por pedroambrosoli

Na noite do dia 21 para o dia 22 de junho, eu fui presenteado com um sonho daqueles que são premonitórios daquilo que mais pulsa no inconsciente e que aguarda o momento certo para vir à superfície. Acordei embrenhado por cenas um tanto desconexas, um tanto caóticas. A primeira imagem e a que fiquei imerso foi a seguinte:

Eu, Joana Duarte e uma outra amiga, cuja identidade não retive quando acordei, estávamos numa praia de madrugada vestidos com roupas claras e portando apenas ecobags brancas. A maré estava baixíssima, parecia que o oceano inteiro estava secando na nossa frente como se o fenômeno das marés que revelam o trajeto ao monte Saint-Michel na França tivesse se expandido para o oceano que nos exibia um caminho a percorrer. Só restavam algumas poças de tamanhos variados em que pulavam peixes, camarões, polvos e golfinhos que procuravam desesperadamente a imensidão das águas.

Começamos a andar onde havia oceano de mãos dadas murmurando pequenas palavras que se perderam. Caminhamos até que o mar empeçou a voltar aos poucos em baixas ondas. Elas cresceram e nós corremos. Queríamos atravessar o oceano de qualquer forma, sob qualquer circunstância.

Mas as forças da natureza responderam contra. As ondas e os ventos estavam na direção oposta para onde trilhávamos. O que iniciou com ondas na altura do joelho se transformaram em ondas de mais de 5 metros que nos levaram de volta a costa, ainda de noite. Chegamos lá como saímos, de mãos dadas e incrivelmente secos e sem machucados. Só exaustos, com tonturas e atingidos por choros incontroláveis, que estiveram em outras cenas do sonho, não era um lamento, sim um descarrego. Estávamos aliviados por pisar na areia de novo.

Foi quando olhei dentro da minha bolsa, o que até então ainda não tinha me atentado. Estavam lá só livros, assim como nas bolsas de minhas companheiras de travessia que tomaram a mesma atitude que eu.

 Um dos livros que me lembro de achar na minha bolsa meio molhado foi A vontade de crer de William James (1984-1910) que é mencionado nos escritos sobre arte e experiência de John Dewey (1859-1952) que estive lendo nos últimos dias e que me proporcionaram momentos de muito conforto.  Nunca li o livro nem nenhuma obra de William James, mas as impressões que tive ao ler as resenhas e no que John escreve é que ele está entre a racionalidade e a espiritualidade, entre o empirismo e a subjetividade. James estava em casa no universo. Entretanto, o seu universo não se resumia ao que residia fora de si. Ele sabia, pois também empreendeu tal caminho, que haviam espaços infinitos também dentro de nós o que o encaminhou a pesquisar a psicologia humana. Neste texto, ele dá destaque ao miraculoso frente ao racional.

As buscas do milagre e do impossível me remeteram fortemente a um trabalho de Bas Jan Ader (1942 – 1975) que me foi apresentado em 2013 por Marcelo Campos numa aula de história da arte no Parque Lage. Este trabalho foi sua última realização, por sinal.

W1siZiIsIjI2NzU2OSJdLFsicCIsImNvbnZlcnQiLCItcmVzaXplIDIwMDB4MjAwMFx1MDAzZSJdXQ

Untitled (In Search of the Miraculous), Bas Jan Ader, 1974, serigrafia, 48 x 46.1 cm. MoMa, Nova York.

A trajetória deste artista aponta quedas e riscos. Ader nasceu numa pequena cidade holandesa chamada Winschoten e se mudou para Amsterdam em 1959, aos 19 anos. Em 11 meses de viagem num yacht, ele chegou Los Angeles em 1962. Lá ele estudou na Immaculate Heart College, e depois seguiu para a Claremont Graduate School.

Em 1975, o artista tentou atravessar o Atlântico numa obra que chamou In search of the miraculous. Ao escrever as próximas linhas, estive mergulhando nessa obra que até então só havia contemplado da praia.

Este trabalho foi dividido em três partes compostas por vestígios como fotografias, deambulações, uma exposição, anotações feitas durante as experiências e filmes.

A primeira parte ocorreu em Los Angeles em 1973 e foi chamada In Search of the Miraculous (One Night in Los Angeles). São registros de uma caminhada noturna em que ele procura algo com a luz de uma lanterna e que hoje existe enquanto fotos feitas por sua esposa, Mary Sue Ader Andersen, enquanto ele andava com trechos da música “Searchin’” de The Coasters por cima delas escritas por seu punho como nas imagens que se seguem.

BJA-In-Search-of-One-Night-02-720x564

In Search of the Miraculous (One Night in Los Angeles) Bas Jan Ader, 1973, uma  de 18 impressões de gelatina de prata com texto manuscrito em tinta branca, 20 x 25 cm. Estate of Bas Jan Ader / Mary Sue Ader Andersen

basjanader6

In Search of the Miraculous (One Night in Los Angeles) Bas Jan Ader, 1973, uma  de 18 impressões de gelatina de prata com texto manuscrito em tinta branca, 20 x 25 cm. Estate of Bas Jan Ader / Mary Sue Ader Andersen

miraculous 2

In Search of the Miraculous (One Night in Los Angeles) , Bas Jan Ader, 1973, seis de 18 impressões de gelatina de prata com texto manuscrito em tinta branca, 20 x 25 cm. Estate of Bas Jan Ader / Mary Sue Ader Andersen

cec8baca315a4f645984230d71ad571a

In Search of the Miraculous (One Night in Los Angeles), Bas Jan Ader, 1973, 18 de 18 impressões de gelatina de prata com texto manuscrito em tinta branca, 20 x 25 cm. Estate of Bas Jan Ader / Mary Sue Ader Andersen

BJA-One-Night-in-Los-Angeles-image-18--720x571

In Search of the Miraculous (One Night in Los Angeles) Bas Jan Ader, 1973, uma  de 18 impressões de gelatina de prata com texto manuscrito em tinta branca, 20 x 25 cm. Estate of Bas Jan Ader / Mary Sue Ader Andersen

A série termina com esta fotografia acima. Existem duas versões do trabalho, uma com 14 fotos impressas e outra com 18 que estão presentes acima. Em todas as fotos, Bas é fotografado de costas para câmera e de frente para paisagens abertas ou obscurecido pela escuridão ou em ângulos que não deixam muitas pistas de sua fisionomia como em muitas das pinturas românticas do alemão Caspar David Friedrich (1774 – 1840).

213fried

Dois homens contemplando a lua, Caspar David Friedrich, 1819-20, Óleo sobre tela, 35 x 44 cm. Gemäldegalerie, Dresden

207friee

Dois homens pelo mar, Caspar David Friedrich, 1817, óleo sobre tela, 51 x 66 cm. Nationalgalerie, Berlim.

301fried

Nascer do sol ao mar, Caspar David Friedrich, C. 1821, Óleo sobre tela, 135 x 170 cm. Hermitage, São Petersburgo.

212fried

No barco de vela, Caspar David Friedrich, C. 1819, óleo sobre tela, 71 x 56 cm. Hermitage, São Petersburgo

As fotos desta primeira parte foram exibidas em Los Angeles na galeria Claire Copley entre os dias 22 de abril e 17 de maio de 1975. Junto as fotos, estavam letras de canções marítimas do século 19, mesmo século das pinturas apresentadas de Friedrich.

Ader recrutou um pequeno grupo de alunos da UC Irvine, todos vestidos de preto, para cantar as canções com uma pianista na abertura da exposição. Ele fotografou a performance e projetou fotografias dela nas paredes da galeria. Essas imagens, que foram mostradas com o uso de um projetor de carrossel (aqueles como os que Nan Goldin usa em suas projeções) e foram acompanhadas por uma gravação de áudio da apresentação.

39200237aec4d68001e483a4e6957dfd

BJA-Copley-photo-In-Search-performance-rehearsal-front-720x484

Registro de ensaio na galeria e da performance no dia da abertura.

In-search-of..art-project-01-768x1096

Letra de A life on the ocean wave de Henry Russel, exposta na mostra.

Em 18 de abril de 1976, ele iniciou a segunda parte de sua busca indo direção ao mar num pequeno barco que ele deu o nome de Ocean Wave em Chatham, Massachusetts. Ele levava mantimentos, uma câmera e um caderno de anotações. Mary Sue Ader registrou sua partida nestas fotos clicadas do porto em o barco zarpou.

ader_bootBJA_OceanWave2-768x596

Ele tinha o desejo de traçar o oceano até Amsterdam, onde depois exporia seus trabalhos no museu de Groninger.  Ele dizia que demoraria 60 dias para efetuar a viagem, caso remasse, e 90 se deixasse só o vento e as ondas agissem sobre seu barco. Seria o menor barco a atravessar o Atlântico até então.  Mary Sue Ader diz que “No fundo da minha mente, eu sempre segurava essa esperança: que ele simplesmente tinha desaparecido e iria voltar.”

Entretanto, ele nunca mais foi encontrado, só fragmentos de seu barco foram localizados meio submersos na costa da Irlanda dez meses depois da partida do artista. Segundo o capitão do navio pesqueiro que encontrou os destroços, Don Manual Castineira Alfeirán, o barco estava à deriva por cerca de seis meses. A família não chegou a ver o barco e confirmar se era realmente ele, pois este foi misteriosamente roubado antes deles chegarem ao local. Só em 2010, Mary Sue Ader teve a oportunidade de ver fotografias feitas por um tripulante do navio pesqueiro e ter a certeza que se tratava do barco de Bas. Nem seu corpo, nem o colete salva-vidas do barco, nem a câmera nem suas anotações foram encontrados, jazem no mar, uma vida numa onda do oceano.

A terceira parte do trabalho, nunca realizada, seria similar a primeira, só que o artista seguia sua busca noturna com lanterna por Amsterdam. Seria exposta junto as letras marítimas e uma apresentação de um coral alemão no museu de Groninger. Um ciclo que se fecharia, um mapa desenhado e um milagre performado.

Mary era uma colaboradora dos trabalhos de Bas e de suas buscas, era ela quem também filmava seus filmes, clicava as fotos e apoiava suas empreitadas. Ele traçava seus trabalhos em sua mente e juntos eles executavam sem ensaios, no máximo olhavam as anotações que Bas fazia constantemente sobre seus projetos. No vídeo abaixo, ela nos presenteia com seu emocionante depoimento da convivência com o artista.

Só em 1985, houve a primeira exposição póstuma com trabalhos de Bas que teriam que aguardar até os anos 1990 para ganharem alguma atenção nos estudos sobre arte devido a um grande interesse em artistas conceituais por historiadores. Junto a esse interesse, veio um forte sensacionalismo de sua obra, especialmente por seu fim. Bas se tornou vários mitos e está até presente na atual edição da Bienal de Veneza (2017), Viva Arte Viva, curada por Christine Macel que tem como ímpeto celebrar a arte e os artistas. A Bienal disponibilizou o seguinte vídeo de Bas indo de Los Angeles para o porto de Cape Cod com seu barco Ocean Wave de carro.

De fato há uma melancolia atávica nas imagens de Bas, não aquela que paralisa ou anestesia a percepção, mas aquela que tem “uma premente tendência de se comunicar, que encontra satisfação no autodesnudamento.” como Freud percebeu na página 55 de seu estudo “Luto e Melancolia”, escrito sob o impacto recente da Primeira Guerra Mundial. É um estado pelo qual há a suspensão da temporalidade do mundo como nos singelos vídeos de Bas em que ele simplesmente cai de vários lugares como árvores e telhados. Porém, a melancolia de Ader foge dos extremos de sadismo, da autodestruição e narcisismo que Freud caracteriza ao estado melancólico.

Broken fall (organic), Bas Jan Ader, 1971, filme 16mm.

Quando adolescentes, eu, Joana e mais duas amigas criamos uma estória que éramos seres do espaço, de um planeta recém descoberto que continha muita água e que caímos na Terra como que tele-transportados para estes solos. Quem saberá se na noite do dia 21 para 22 de junho não estávamos tentando retornar a esse lar assim como Bas retornaria a Holanda através de In search the miraculous.

A palavra melankholia é a união de kholê (bile) e mélas (negro), seria a bile negra. Estranhamente, as águas do meu sonho também eram negras pela noite. A água é um elemento transicional, vinculado à transformação e ao inconsciente, assim como a cura.

O quadro melancólico de chorar ao pisar na areia do meu sonho é essa atmosfera curativa que Bas e Freud instauraram a seus modos no mundo. Ela se comporta como uma “ferida aberta” que escapa ao explicável nas palavras de Freud. A melancolia está encoberta por nuvens de incertezas.  É um esvaziamento do “sentimento de si”.

Entretanto, este processo de escoamento de si pode desaparecer repentinamente como promovido no meu ato de olhar dentro da bolsa, contemplar meu interior e descobrir a Vontade de Crer, o mundo fazia sentido novamente e pude seguir para a segunda parte do sonho.  Restabelece-se a realidade ao se dar nós nos fios soltos e criar colares a partir deles, é o que faz Joana Duarte, minha companheira no sonho em sua produção artística para a Maria Flor Acessórios.

 Muitos artistas contemporâneos beberam dessa água salgada de Bas e construíram suas próprias viagens rumo ao impossível. Uma em especial, Tacita Dean (1965-) fala que “Ele (Bas Jan Ader) acreditava na peregrinação. Ele acreditava que ir para o mar era a única coisa transcendental que havia deixado.”  A obra de Tacita me marcou profundamente quando tive contato na exposição a medida das coisas no Instituto Moreira Salles no Rio de Janeiro em 2013, pouco depois de conhecer Bas Jan Ader.

 

0c6100b2cba1bf746c41788b53f50aedcc300233

Großsteingrab (Flutuante), Tacita Dean, 2009, pintura de quadro negro, impressão à base de fibra montados em papel, 234 x 448 cm.

dd65745a57b028ceb55155685f0f93182ef29723

A Linha do Destino, Tacita Dean, 2011, linha vertical de cinco fotografias. Quatro em preto e branco e uma cor.305 x 98cm. Edição de 6

 

 

 

Tacita emerge junto ao interesse pelas obras de Bas, nos idos dos anos 1990 quando entra no circuito internacional por seu cinema analógico, por sua celuloide de 16mm, pela sua gelatina de prata, suas impressões e desenhos. E é muito conhecida por seu tempo que é tanto humano quanto cósmico onde as estâncias passadas, presentes e futuras cruzam-se e encontram-se em percursos subjetivos.

Ela é interessada nos artistas que admira, sempre prestando homenagens a eles a seu modo como na instalação Merce Cunningham performs stillness (in three movements) to John Cage’s composition 4’33’ with Trevor Carson, New York City, 28 April 2007 . Ela dedica esta peça a John Cage através de Merce Cunningham que tanto colaborou com Cage durante sua vida.

Tacita procura, muitas vezes, um “objeto perdido” como Freud deambulou em “Luto e Melancolia”. Seja o tempo da tecnologia analógica, seja a fábrica de filmes da Kodak, seja os vasos do ateliê de Giorgio Morandi, seja o raio verde, seja o silêncio de John Cage em Merce Cunningham, seja o palácio Monroe no Rio de Janeiro. Ela se faz enquanto ser de fala, fruto de uma perda. Ela filma e fantasia:

Em seus trajetos, Tacita encontra e constrói imagens arrebatadores como em Disappeaarance at Sea (1996) em que ela filme o anoitecer, desde o pôr do sol até a escuridão completa do interior do farol de St. Abb’s Head, em Berwickshire, na Escócia.

e716cab5eb727579f74da47fcfd5e44eb7744757

Disappearance at Sea 1996 by Tacita Dean born 1965

Stils de Disappeaarance at Sea, Tacita Dean, 1996, filme anamórfico de 16 mm colorido,13 mins 9 segundos.

Foi nesse filme que ela resolveu abrir mão de vozes ao fundo de seu vídeo, o que lhe foi uma grande libertação segundo ela. Tacita escreve o seguinte relato sobre esse filme:

O farol de Berwick fica no final do cair. O cais estende-se mar adentro, bem além da cidade e bem além do porto. À medida que o trem serpenteia ao longo da costa na chegada a Berwick como um ponto no final do cais e imaginar a pequenez desse espaço fechado em relação à vasta  imensidão do espaço além dele: o espaço que é o mar.

O farol é o último sinal humano entre a terra e oceano, e foi construído em escala humana. No entanto, sua presença indica outro aspecto mundano do mar: uma outra noção de espaço, daquilo que nunca será domesticado pela humanidade, que mais parece a distorcida percepção final das coisas de Crowhurst.

À noite, você espera na escuridão pelas rotações do farol e tenta decifrar o tempo nos intervalos de flashes. Sem essa cifra, não há tempo. A “loucura do tempo” de Crowhurst, que o fazia acreditar estar flutuano pela pré-história, completamente sozinho numa implacável paisagem marinha muito distante do contato humano, só é possível de ser imaginada quando se está no último sinal da civilização, onde o oceano começa e a terra acaba num solitaário ponto de orientação.

 Da janela do farol, onde normalmente estaria a luz, é possível vislumbrar o rosto angustiado de Donald Crowfurst. Como o rosto humano na cara da lua, ele se torna a luz do farol, com seu olhar eternamente fixo no horizonte, enquanto contempla o mar.¹

Teighmouth electron (2000) foi filmado no Caribe quando Tacita procurava o barco do velejador cirato acima Crowhurst, ele saiu pelo mundo numa viagem fracassada e desapareceu ao mar assim como Bas. Ela encontra o barco, de mesmo nome que o vídeo, abandonado numa praia isolada na ilha de Cayman Brac. Sua obra percorre esses vestígios silenciosamente e detalhadamente, indo se distanciando até o barco e a ilha sumirem junto ao filme. Briony Fer fala que esse filme seria um “monumento às narrativas perdidas”

A viagem de Crowhurst foi parte da regata Golden Globe de 1968, promovida pelo jornal Sunday Times e premiaria o primeiro dos nove velejadores inscritos a realizar sozinho e sem escalas a circunavegação da Terra. Para sair das dificuldades que se encontrava, Crowhurst se inscreve na regata mesmo sem experiência como velejador profissional, mas com muito desejo e determinação em sua busca.

Ele deu o nome de Teighmouth eléctron seu barco em agradecimento ao apoio da cidade de Teignmouth no Reino Unido na construção de seu barco, um trimarã. Para Tacita, “sua história é genuinamente trágica e existencial”. Como Bas, Crowhurst levou uma câmera de vídeo e cadernos para anotações. Diferente de Bas, estes últimos foram encontrados junto ao barco.

Percebendo sua incapacidade de concluir a viagem de forma tranquila, ele começou a anotar coordenadas falsas para poder provar que havia feito a viagem completa e nesse processo foi perdendo a noção de tempo e de espaço, sofrendo uma “loucura do tempo” como Tacita fala, a melancolia. Sentindo-se um traidor de seus princípios, ele mergulhou no mar a centenas de milhas da Grã-Bretanha apenas com seu cronômetro de navegação. Segundo Tacita, ele levou seu relógio para saber o instante exato de sua partida. Segundo o filho de Donald Crowhurst, ele só escolhera estar com o relógio para afundar de uma vez e não ficar boiando no mar.

Tacita se refere ao acontecido como uma estória que “fala de fracasso humano, em pôr a saúde mental em competição com o oceano”. A imensidão não é para todos em todo momento. Não foi para mim na madrugada de junho, porventura seja um dia ou uma noite.

200801_mattconnors_img_1

Teighmouth eléctron (Cayman Barc), Tacita Dean, 1999, fotografia colorida, 68 x 89 cm.

tacita-dean-teignmouth-electron,-cayman-brac

Teighmouth eléctron (Cayman Barc), Tacita Dean, 1999, fotografia colorida, 68 x 89 cm.

tacita-dean-teignmouth-electron,-cayman-brac-(with-track)

Teighmouth eléctron, Cayman Barc, (J.G. Ballard), Tacita Dean, 1999, fotografia colorida, 68 x 89 cm.

diamong ring e green light

Esquerda: DIAMOND RING (Anel de Diamante), Tacita Dean, 2002, filme
16mm colorido sem som, 6’ (12 filmes, 27’’ cada).
Direita: THE GREEN RAY (O raio verde), 2001
Filme 16mm colorido, sem som, 2’ 30’’
Exposição no Palazzo Dugnani, Milão.

No filme a esquerda, Diamond Ring (Anel de Diamente), Tacita filma um eclipse solar. Feito em Morombe, no oeste de Madagascar, em 21 de junho de 2001. Exatos 16 anos antes do meu sonho (!). É um sutil registro de instantes em que a lua deixa de estar na frente do sol e deixa escapar fiapos de luz. É quando dia e noite convergem.Sobre esse vídeo, ela anota:

Tenho agora uma filosofia, gerada por uma necessidade, de que às vezes as coisas dão errado para que no fim deem certo. Então, quando estava nublado no dia do eclipse na Cornualha em 1999, isso me permitiu fazer o filme que todos concordaram ser muito mais eu. Ou, quando confiei, no fotômetro de uma câmera de outra época, meu filme quase esvanecido revelou-se mais autêntico para meu projeto do que qualquer coisa que eu pudesse ter produzido. Mas na hora, claro, essas situações indesejadas são insuportavelmente dolorosas e decepcionantes. Ser convencido pelas circunstâncias a tomar outro rumo nunca é fácil, e arrastar-se pelo caminho de Damasco antes do mais tênue sinal de conversão sempre exige alguma persistência, ou até mesmo fé.

E assim foi no verão de 2001, quando fiz inúmeros planos com meu amigo Dick de viajar até Madagascar ocidental para tentar mais uma vez ver o eclipse total do sol. Nós sobrevivemos ao cancelamento do nosso voo, sobrevivemos ao guia e a jornada, sobrevivemos a tudo e, naquela manhã de 21 de junho, até mesmo ao tempo. Mas então, durante o ápice do eclipse – durante aqueles tão esperados dois minutos e meio – a câmera tombou para frente e caiu. Dick e eu colaboramos em conjunto para causar esse acidente. Só queria escrever isso porque acho que ele poderia querer ser reconhecido pelo seu papel na produção de Diamond Ring. Basta dizer que fiquei paralisada pela decepção já familiar. Demorei quase toda a duração do ápice  para ter alguma reação, e nesse instante fiz algo que raramente faço, e que nunca deveria ter feito: dei um zoom. No exato momento em que finalizei o zoom, com o sol no meio do meu visor, a luz passou para a fase seguinte, liberando um fiapo de luz que superexpôs  meu filme e embranqueceu meu frame.²

O outro vídeo que está na foto acima é The Green Ray, filmado na mesma viagem a Madagascar em 2001. É um fenômeno que ocorre no exato momento que o sol se põe no horizonte. “O raio verde ocupou minha mente durante muito tempo”, ela disse para Hans Ulrich Obrist. Foi difícil filma-lo, ela tentou inúmeras vezes em várias partes do mundo e ele só acontece num frame do vídeo .

Assim como o farol de Tacita que se direciona ao mar, sua viagem rumo ao sol de Madagascar, a Melancolia I de Dürer (1471–1528) figura o mar no horizonte e nos transmite a inclinação dos melancólicos para as grandes viagens. Na reconstituição imaginativa de Dürer, chega-se ao pathosformel, uma fórmula de reelaboração de um trauma na tentativa de cura-lo.  Um movimento individual ao mesmo tempo que cultural, com sentido trágico, o problema patológico de morte.

Neste movimento de cura, Dürer, Tacita e Bas usaram como meio técnicas reprodutivas: a gravura no artista renascentista e a fotografia com gelatina de prata e os filmes 16 mm nos dois artistas contemporâneos. Em todos os trabalhos, são técnicas que tenderiam a desaparecer se não fosse a vitalidade dos artista que instaura a necessidade de instituições preservarem essas memórias, estes percursos.

Assim como William James, Dürer e Tacita Dean se encontram frente a racionalidade e a espiritualidade. Em Tacita, convivem as mitologias marítimas com seus percalços  mágicos e trágicos com as tecnologias de visão como a câmera e o farol. Em Dürer, uma mitologia greco-romana convive com a geometria e os estudos anatômicos de seu tempo. Neste estado, os dois artistas seguiram o movimento de Bas Jan Ader: continuar buscando.

DP820348

Melencolia I, Albrecht Dürer, 1514, gravura.  Metropolitan Museum of Art, Nova York.

 

b89ccd80f368583cf24cfcd7142669ecb55b1615

H540, Tacita Dean,  2015, giz em quadros de Masonite, 244 x 488 cm (cada)

 

O que se busca ou onde são questões que cada um dos artistas respondeu a sua maneira. Se é possível identifica-las, seus sintomas de sentidos de vida e/ou morte, eu não posso afirmar, mas posso mergulhar junto a eles e vive-las também como tentei aqui. Cada um pode ir ao encontro de suas quedas, de suas travessias. Mesmo não alcançando o fim, o processo é imprescindível e inviolável para ir de encontro ao miraculoso.

7be159cc3b841382486f007e0c773c69

Thoughts unsaid, then forgotten, Bas Jan Ader, 1973, instalação com prateleira de óleo, tripé, lâmpada, flor e vaso, dimensões variáveis.

 

larger

The Green Ray for Parkett 62,  Tacita Dean, 2008, Cartão postal colorido, assinado, numerado, carimbado e postado em Morombe, Madagascar.

Notas

¹DEAN, Tacita. Disappearence at sea. In: DEAN, Tacita. a medida das coisas. São Paulo: IMS, 2013. p. 23.

²Op.cit. p. 60.

 

Fontes da pesquisa

Catálogo da 30º Bienal de São Paulo: A iminência das poéticas/ curadores Luis Perez-Oramas … (et al). São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2012.

DEAN, Tacita.  a medida das coisas. São Paulo: IMS, 2013.

FREUD, Sigmund. Luto e Melancolia. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

http://revistacarbono.com/artigos/05-bas-jan-ader-glaucis-de-morais/

https://www.moma.org/momaorg/shared/audio_file/audio_file/1840/Amsterdam_304.mp3

https://www.moma.org/interactives/exhibitions/2009/inandout/artists.html

https://hyperallergic.com/336146/in-search-of-bas-jan-ader-the-artist-who-disappeared-at-sea/

http://www.tate.org.uk/whats-on/tate-modern/exhibition/tacita-dean-recent-films-and-other-works/tacita-dean-recent-films-12

OBRIST, Hans-Ulrich, Entrevistas: volume 3. Rio de Janeiro: Cobogó; Belo Horizonte: Instituto Cultural Inhotim, 2010.

Anúncios